quinta-feira, 2 de junho de 2011

O LIVRO DE DEUTERONÔMIO:




TÍTULO E FUNDO HISTÓRICO: A palavra Deuteronômio provém da Versão Grega que significa “segunda lei” ou “repetição da lei”. O livro consiste em sua maior parte nos discursos de Moisés, dirigidos ao povo, na planície de Moabe, quando Israel estava prestes a cruzar o rio Jordão e entrar na terra prometida, iniciando a conquista de Canaã, e Moisés por findar sua carreira ali.
Tendo em vista, que a primeira geração, que presenciara as maravilhas de Deus nos primeiros anos, nem sequer as compreendia como maravilhas, fez-se necessário que Moisés as trouxesse à memória do povo. Também, os fez recordar os preceitos da Lei e do Sinai, para que os gravassem em seus corações, pois tais preceitos os guardariam das iniqüidades dos cananeus. Depois Moisés escreveu os discursos num livro. Portanto, este se distingue dos demais livros do Pentateuco, por seu estilo oratório e seu fervor exortativo. 

PROPÓSITO DO LIVRO:

A) Preparar o povo para a conquista de Canaã.  A fidelidade de Deus, a presença e o poder d’Ele eram a garantia de que a Terra seria deles. Moisés anima-os repetindo trinta e quatro vezes a frase: “Entrai e possuí a terra” e adiciona trinta e cinco vezes: “A terra que o Senhor te deu.”
B) Apresentar os preceitos da Lei em termos práticos e espirituais para serem aplicados à nova vida em Canaã.
C) Dar a Israel instruções e advertências quanto aos detalhes da conquista, aos requisitos dos futuros reis, como distinguir entre profetas verdadeiros e falsos, as bênçãos que a obediência traz e os malefícios da desobediência.
D) Estimular a lealdade ao Senhor e a sua Lei. Pode-se dizer que o ensino de Deuteronômio é a exposição do grande mandamento, “Amarás, pois ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu poder”. (5:6).

CONTEÚDO: Deuteronômio é muito mais do que uma mera repetição da Lei. Explicam-se os privilégios e as responsabilidades do povo escolhido e sua relação com o Senhor. O Senhor é o único Deus (4:35; 6:4). O “Deus fiel, que guarda o concerto e a misericórdia até mil gerações que o amam” (7:9). Israel é o povo escolhido de Deus em virtude da aliança que fez com eles no Sinai. Israel é um reino de sacerdotes e nação santa (Êxodo 19:6). Os israelitas herdarão todas as promessas feitas aos seus pais. Considerando que Israel é o único povo com quem o Senhor estabeleceu concerto, deviam reverenciá-lo e amá-lo (4:10; 5:29; 10:12; 11:1, 13, 22). Por meio do pacto Israel gozava dos privilégios mais sublimes.
 Chama-se Deuteronômio “O livro das recapitulações”, pois Moisés recapitula a história de Israel no deserto, acentuando que o Senhor sempre foi fiel a sua aliança, mesmo Israel tendo sido infiel. Encontra-se muitas vezes, repetido no livro, a ordem “lembra-te”, ou o seu equivalente. O lembrar-se da bondade de Deus no passado deve estimular a gratidão do seu povo. Assim se expressou o apostolo: “Nós o amamos a ele porque nos amou primeiro” (I João 4:19).
No mais, Moisés exorta Israel a observar irrestritamente os mandamentos do Senhor para que se cumpra seu futuro glorioso prometido na lei. Se Israel desse atenção a Deus, o mesmo poder que os havia livrado do Egito e os havia sustentado durante quarenta anos no deserto guardá-los-ia na terra prometida. Por outro lado, se Israel descuidasse sua relação com Deus e seguisse a deuses falsos, seria castigado até ao ponto de ser espalhado nas terras dos seus inimigos. Por isso, Deuteronômio é o livro da piedade, uma exortação viva e opressiva recordando as graves conseqüências de esquecer os benefícios do Senhor e apartar-se de seu culto e de sua lei.

ESBOÇO: Os discursos de Moisés dividem-se em três etapas:
Recorda! Obedece! Cuidado!

1)      Recorda! Revisão da história das peregrinações – 1:1 – 4:43.
A)    Revisão dos fracassos de Israel – 1.
B)    Vitórias e partilha do território ao oriente do Jordão – 2 e 3.
C)    Exortação à obediência – 4:1-43
2)      Obedece! Exposição da Lei – 4:4 – 26:19.
A)    Os dez mandamentos e sua aplicação – 4:44 –1:32.
B)    Leis atinentes ao culto e à vida santa – 12:1 – 16:17.
C)    Leis de justiça e de humanidade – 16:18 -26:19.
3)      Cuidado! Profecias sobre o futuro de Israel – 27-34.
A)    Bênçãos e maldições – 27-30.
B)    Dias finais de Moisés – 31-34.

IMPORTANCIA DE DEUTERONÔMIO:

Este livro desempenhou um papel importante na história e na religião de Israel. O código deuteronômico foi a norma para julgar as ações dos reis de Israel. Ao descobri-lo no templo, sua leitura despertou um grande avivamento no ano 621 a.C. (II Reis 22). Foi a base das exortações de Jeremias e de Ezequiel. Os judeus escolheram a grande passagem de 6:4, 5 como seu credo ou declaração de fé.
O Novo Testamento refere-se a Deuteronômio e cita-o mais de oitenta vezes. Parece que era um dos livros prediletos de Jesus, pois ele o citava com freqüência. Por exemplo, citou versículos de Deuteronômio para resistir ao diabo em sua tentação. Também a profecia acerca do profeta que seria Moisés (18:15-19) preparou o caminho para a vinda de Jesus Cristo.

ASSUNTO: Exortação à lealdade ao Senhor e advertência contra a apostasia.

Deuteronômio foi escrito em linguagem popular, em forma de sermão, por isso é fácil de entender.
O livro de Deuteronômio também traz em si as bênçãos referentes ao povo de Israel, que também podem ser aplicadas a nós se obedecermos as condições das obtenções delas.








Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário